COLEÇÃO DIÁRIOS DE EDGAR MORIN:

Por meio destes diários é possível tomar contato com o intelectual que não se envergonha de mostrar seu lado de homem comum, que se emociona e se indigna ante as situações com as quais se depara. Eles apresentam o pensador sempre questionador e curioso, propondo novas maneiras de abordar o conhecimento, de estar no mundo, de redescobri-lo e redescobrir-se.

UM ANO SÍSIFO

Descrição dos fatos e problemas ocorridos em 1994, um ano em que todas as iniciativas de Morin para reorganizar sua vida não funcionam. Ele aborda momentos históricos e a política mundial, bem como sua participação em colóquios internacionais, discussões com amigos e acontecimentos da vida cotidiana.

Tradução: Edgard de Assis Carvalho, Mariza Perassi Bosco

CHORAR, AMAR, RIR, COMPREENDER

Este diário de 1995 discorre sobre as constantes viagens internacionais e correspondências de Edgar Morin. Greves, protestos sociais, o pensamento de outros filósofos e intelectuais e questões ligadas ao nacionalismo exacerbado compõem este percurso que alterna entre o pessoal e o universal.

Tradução: Nurimar Falci 

DIÁRIO DA CALIFÓRNIA

Um relato escrito durante o ano de 1969, em que Morin residiu na Califórnia a convite do Salk Institut (centro de pesquisas biológicas presidido por Jonas Salk, Prêmio Nobel de biologia) para desenvolver pesquisas integrando as ciências humanas a outras áreas do conhecimento.

Tradução: Carmem Cacciacarro